Novos profissionais, novos mercados, novo ensino!

Compartilho texto escrito em atividade da Pós Graduação em Docência do Senac, falando dos desafios do ensino perante as mudanças do mercado de trabalho e principalmente da mudança no perfil dos alunos atuais, que formam-se com acesso a todo tipo de informação através da Internet, e com isso são cada vez mais capazes de adquirir conhecimento por si e, além disso, tornam-se questionadores das formas tradicionais de ensino e aprendizagem.

Artigo:

Repassando nossa história recente, podemos perceber que, a partir da revolução industrial, as mudanças nos mercados de trabalho passaram a ocorrer cada vez mais intensamente, e em períodos mais curtos. A partir do surgimento da tecnologia, e principalmente da Internet, este processo se acentuou ainda mais. Hoje temos diferentes gerações em espaços de 10 anos apenas.

Neste mercado de trabalho atual, onde as mudanças surgem repentinamente, é necessário que os profissionais sejam extremamente dinâmicos e tenham capacidade de absorver novos conceitos e processos. Devido a grande concorrência, o nível de exigência, tanto no conhecimento técnico, como no emocional, tem aumentado cada dia, exigindo dos profissionais maior dedicação e competências múltiplas, em todas as formas do saber.

Considerando este cenário, e as tendências que temos para o mercado, percebe-se grandes mudanças no perfil de profissionais que o mercado busca, não basta apenas possuis bons conhecimentos em uma determinada área, é necessários múltiplas competências, partindo de uma boa preparação técnica, excelente inteligência emocional, capacidade de aprendizado, consciência social e ambiental e tantas outras qualidades. Desta forma, este profissional necessita de ensino muito mais qualificado e intenso.

Sendo assim, é importante o entendimento de que, o processo de ensino também necessita passar por mudanças, é preciso ensinar e preparar as pessoas, para este novo mercado de trabalho, não basta mais ensinar um conhecimento específico e pré-estabelecido, precisamos repensar as competências a serem trabalhadas, devemos direcionar o ensino para o emocional, preparar as pessoas para serem cidadãos conscientes, que saibam ser responsáveis e se adéqüem a nova dinâmica do mercado.

Talvez, a principal mudança no ensino, deva ser que, não ensinemos mais verdades, estas tem perdido muito seu valor, passemos a ensinar as pessoas e criar novas verdades, ou seja, a serem capazes de serem sujeitos questionadores e criativos, somente assim estes profissionais conseguirão se destacar como profissionais, e principalmente como sujeitos dentro da sociedade.

Do ponto de vista prático, o ensino deve ser direcionado para preparar um profissional multidisciplinar, onde, além de bom conhecimento técnico e uma ou mais áreas, possua boa habilidade de relacionamento, desejo, interesse e capacidade de estar sempre aprendendo coisas novas, seja um sujeito socialmente e ambientalmente responsável, tenha disciplina e dedicação ao trabalho e saiba exercer todas estas virtudes com seriedade e competência.

1 Comentário

  • E aí fera, desculpa comentar por aqui, te achei no Facebook…. como vão as coisas? Que anda fazendo da vida?

    Abraço.

    Fabiano Duarte – Santa Rosa/RS

Envie seu comentário com o que você pensa sobre o assunto.